Vinho dos Mortos

Aquando da segunda invasão francesa a Portugal, o povo do atual concelho de Boticas, com medo que lhes pilhassem os seus pertences, escondeu o que conseguiu, incluindo o vinho, que foi enterrado no chão das adegas, debaixo das pipas e dos lagares.

Mais tarde, quando recuperaram os bens, descobriram que o vinho tinha adquirido propriedades inesperadas. Um vinho com baixo teor alcoólico e algum gás, fruto do processo de fermentação natural durante o período que ficou enterrado e cuja conservação foi beneficiada pela temperatura constante e a ausência de luz. Por ter sido enterrado, recebeu o nome de Vinho dos Mortos.

O Vinho dos Mortos é um testemunho do engenho e resiliência dos barrosões que chegou até aos dias de hoje.

www.vinhodosmortos.pt